29 de dezembro de 2016

[Série Indicação] - Narcos



Olá, leitores queridos! O post de hoje é para indicar uma série muito interessante: Narcos!

A série vem contar a história de Pablo Escobar, o maior narcotraficante da história, que se confunde com a história da disseminação de cocaína da Colômbia para os Estados Unidos e países da Europa.

Primeiramente, quero falar da brilhante interpretação de Wagner Moura no papel de Pablo Escobar, que, em minha opinião, dá vida, na série, a um dos maiores criminosos de todos os tempos com extrema perfeição! A expressão, o jeito de andar e de falar e até os gestos foram aprendidos pelo ator que, para mim, merece todos os prêmios por sua atuação.

Pablo é o chefe do Cartel de Medellín que, ao começar a distribuir drogas para os Estados Unidos, chamou a atenção do governo americano, que enviou à Colômbia dois agentes do DEA, principal órgão de controle das drogas no país.




A princípio, os dois agentes, Murphy (interpretado por Boyd Holbrook) e Peña (interpretado por Pedro Pascal) tinham como objetivo capturar o traficante para, então, extraditá-lo e puni-lo em solo americano, nos moldes da severa lei dos Estados Unidos.

Com o tempo, após muitos planos e tentativas de prisão, com missões fracassadas, o governo dos Estados Unidos autoriza que, se necessário, os agentes possam captura-lo mesmo sem vida.

Mas é claro que Escobar não é o maior narcotraficante da história à toa! Ele ergueu um verdadeiro exército que trabalhou a seu favor por anos, sempre enfrentando qualquer obstáculo para seguir seus planos de se tornar o maior vendedor de cocaína de todos os tempos e, claro, ainda muito mais rico que já era.

Com muita ação, a série se desenvolve entre os acertos de Escobar na evolução do refino e venda de cocaína e, por outro lado, o desacerto na busca incessante da polícia colombiana, com a ajuda dos agentes americanos, pela captura do traficante.



A vida pessoal e os costumes familiares de Pablo também são explorados da série, onde conhecemos sua esposa, de papel fundamental em sua vida, seus filhos e seus pais, bem como temos acesso a trechos de sua infância.

Achei interessante na série que, além do lado social, acompanhamos ainda a questão política de toda a história, pois Pablo se tornou um problema para o governo da Colômbia por seu lado assistencialista (que fez com que se tornasse um herói colombiano por algum tempo).

De produção americana, "Narcos" tem co-produção do Brasil e da Colômbia. A direção da série é dividida, tendo sido dirigidos alguns capítulos pelo carioca José Padilha.

A série foi indicada, no ano de 2016 para diversos prêmios, tais como melhor episódio dramático, melhor série de drama e o ator Wagner Moura, como melhor ator em série dramática.




É importante ressaltar que, embora seja baseada em fatos reais da vida do maior narcotraficante da história, Narcos não tem obrigação de fidelidade com todos os detalhes na história e vemos nitidamente que foram usados vários elementos que, ao procurar saber melhor, descobri que não foi realmente o que aconteceu. Mas isso, em minha opinião, só tem o condão de deixar a trama ainda mais interessante.

E tem notícia boa para os fãs da série: a terceira e a quarta temporadas estão garantidas e continuam na direção de José Padilha e do americano Eric Newman. Eu não sei como continuar a série, pelos acontecimentos finais da segunda temporada, mas aguardo com ansiedade para saber como serão as cenas dos próximos capítulos!



Recomendo a quem gosta de séries com muita ação e violência com toques de drama, perseguição e bastante adrenalina.

E você, acompanha a série? Deixe nos comentários.



27 de dezembro de 2016

[Resenha] O Tempo e o Vento



O TEMPO E O VENTO
Trilogia: O Continente, O Retrato e O arquipélago (dividido em 7 volumes)
Autor: Erico Verissimo
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2009
Páginas: 2832


SinopseO tempo e o vento é a saga mais famosa da literatura brasileira. São 150 anos da história do Rio Grande do Sul e do Brasil que Erico Verissimo compôs em três partes - O continente, O retrato e O arquipélago -, publicadas entre 1949 e 1962.Ana Terra e o capitão Rodrigo Cambará são apenas alguns dos personagens inesquecíveis que habitam o mundo de Verissimo. As disputas entre famílias pelo poder, as guerras, a bravura dos homens e a tenacidade das mulheres são alguns dos temas do romance. 




"Isso é história antiga. Não tem nenhuma importância. Joga fora o passado. E alegra-te com a ideia de que o homem é o único animal que tem um futuro."



Esse ano entre as tantas metas de leitura que me propus, uma delas foi a de ler a trilogia “O Tempo e o Vento” e durante três meses e meio me dediquei à leitura dessa obra tão importante da nossa literatura.

É muito difícil colocar no papel uma obra como essa, além dos sete livros pela qual é dividida, tem muita história, muita mesmo e não há como falar de todas em uma só resenha. Além disso, não há experiência mais grata do que ler a saga da Família Terra Cambará.

O Tempo e o Vento”, trilogia do escrito gaúcho Erico Verissimo, conta a saga da Família Terra Cambará e a história do Rio Grande do Sul por mais de um século e foi publicada entre 1949 e 1961.

A Trilogia é dividida em: O Continente, O Retrato e O Arquipélago e conta com personagens memoráveis como Ana Terra, Bibiana, o Capitão Rodrigo Cambará e Maria Valéria. Além de tantos outros que te conquistam ao longo da saga.



Desde o tempo das missões até o Brasil República, Erico Veríssimo nos traz uma história mágica e envolvente, o leitor entra na história e começa a fazer parte dessa família. Com mulheres fortes e homens determinados por sua terra ou pela guerra.

Erico é esplêndido, tanto na parte do relacionamento familiar, com seus conflitos e desafios do dia a dia, como na parte histórica, é uma verdadeira aula da história do Rio Grande do Sul, incluindo debates religiosos e sócio-políticos. Conduz sua obra de forma significativa, com diálogos bem elaborados, discussões, temas fortes como violência e outras questões, além de, alfinetar as antigas vertentes literárias.

O livro também traz curiosidades sobre o autor e sua obra, como um dos personagens que foi inspirado no próprio pai de Erico, bem como seu relacionamento com suas origens gaúchas e momentos da vida do autor durante o período em que escreveu a saga.

Um conselho pra quem for ler a obra, evite ler os adicionais, possuem spoilers sobre a história.



Não tem mesmo como colocar toda obra em uma única resenha, aqui é mais um “pincelar” de O Tempo e o Vento, que vale cada página.

Terminei a leitura com a satisfação de dever cumprido e ao mesmo tempo uma tristeza misturada à saudade dessa família. É impossível não fazer parte dos Terra Cambará durante a leitura, eles passam a habitar seu coração. E para acrescentar é uma obra com uma carga emocional muito grande e com personagens muito humanos, pra amar e odiar e amar mais ainda.




Para aqueles que gostam de obras completas, com sentimentos a flor da pele e uma boa dose de história, eu recomendo O Tempo e o Vento!

"Era uma noite fria de lua cheia. As estrelas cintilavam sobre a cidade de Santa Fé, que de tão quieta e deserta parecia um cemitério abandonado. Era tanto o silêncio e tão leve o ar, que se alguém aguçasse o ouvido talvez pudesse escutar o sereno na solidão."



Clique aqui e adicione O Tempo e o Vento no Skoob


26 de dezembro de 2016

[Livros & Esmaltes] Especial Natal


Olá, pessoal!

Dia da nossa coluna quinzenal "Livros & Esmaltes", em parceria com o blog MãeLiteratura.
O post de hoje é especial de natal! Esta semana nosso tema será livre, você escolhe. Você pode combinar o tom do esmalte com o livro que leu ou está lendo neste momento.

Vamos conhecer nossas escolhas?


Minhas Escolhas:


“O esmalte é o Vinho Clássico, da Avon. Adoro essa linha de esmaltes, fácil de esmaltar e tem um brilho intenso. O livro é do mestre King, “Cujo”, ainda estou no comecinho, mas é bem no estilo que gosto. E a edição está um show”


Escolhas da Karla:


"O esmalte é o Rouge Casino, da marca Bourjouis. Adoro essa marca, super fácil de passar e com lindas cores, cobertura ótima. O glitter vermelho por cima é o Bali, da marca Penelope Luz, que também gostei bastante. O livro é o "A vida secreta das abelhas" que ganhei da amiga Fernanda Yano e estou amando! Sue Monk Kidd nos faz entrar na trama para acompanhar uma história com traços feministas."


Escolhas da Claudia:


"Escolhi o Meu Vermelho, da Vult. Acho que esmaltes vermelhos combinam muito bem com o natal. No anelar usei Conquiste sempre, um dourado lindo. O livro é o delicioso O presente do meu grande amor, 12 contos natalinos, recomendo muito!"


Gostaram das nossas escolhas?

E para quem quiser participar, bastar enviar um e-mail com fotinho pra gente para pacoteliterario@gmail.com.

Pode ficar à vontade para seguir as cores propostas ou apenas do seu livro com as unhas da semana!

Ficaremos felizes com a sua participação!!

Até a próxima!


23 de dezembro de 2016

[Resenha] Um Cântico de Natal


UM CÂNTICO DE NATAL
Autor: Charles Dickens
Editora: Landmark
Páginas: 144
Ano: 2010


Sinopse: UM CÂNTICO DE NATAL tem como protagonista Ebenezer Scrooge, um pão-duro, proprietário de uma casa de contabilidade e empregador do pobre Bob Cratchit, seu escriturário. Scrooge evita fazer quaisquer gastos, tanto que no inverno, à época do Natal, o escritório é aquecido apenas por uma pequena lareira. Para Scrooge, isso não é um problema, uma vez que a sua frieza interior é constante, e o conforto de outras pessoas para ele não é importante.Na véspera de Natal, Scrooge, sozinho e renegando qualquer companhia, recebe a visita do espírito de seu sócio, Jacob Marley, que lhe confidencia que um destino igual ao dele estará reservado a Scrooge se o mesmo não se redimir de seu comportamento. Para tal, três fantasmas virão lhe visitar e trarão a oportunidade para que ele reflita sobre sua condição e através da mudança de hábitos limpar sua consciência.Charles Dickens foi um dos principais cronistas de seu tempo, retratando através de suas obras as mudanças que estavam ocorrendo na Inglaterra vitoriana, em função da industrialização e reforma de valores. Mais do que um simples contador de histórias, Dickens se valeu de suas obras para criticar as diferenças sociais e a sociedade em que vivia, alertando para a necessidade de retomada dos valores humanos.




Resenhar clássicos não é uma tarefa muito fácil e eu, apesar de ser leitora assídua deles e amar, tenho receio de fazer as resenhas, medo de falar demais ou de menos. Mas como estamos próximos ao Natal e esse livro é muito especial para mim, achei justo falar sobre ele hoje.

Um Cântico de Natal ou Um Conto de Natal conta a história de Eliezer Scrooge.

Scrooge é um senhorzinho um tanto avarento e mal humorado, ranzinza mesmo. Apesar de muito rico e ter como parente apenas um sobrinho, ele leva uma vida muito solitária. Não gosta de aproximações, não se importa com ninguém, além de ser arrogante e orgulhoso.


"Eu uso a corrente que forjei em vida. Eu a fiz elo por elo, e centímetro por centímetro; eu a preparei por minha própria vontade, e por minha própria vontade eu a uso."

Então imaginem o que é o Natal para uma pessoa assim. Uma época muito boba e sem sentido algum, onde as pessoas demonstram uma felicidade desnecessária, além de gastar com coisas inúteis. Assim pensa Scrooge.


Scrooge, representa o patrão que pouco se importa com seu funcionário e não reconhece o valor do seu serviço, sendo um homem inteiramente voltado ao dinheiro, um típico sovina, inclusive uma fonte de inspiração para o Tio Patinhas, da Disney. 

Às vésperas do Natal, ao chegar em casa, Scrooge tem uma surpresa um tanto assustadora. Ele é visitado pelo espírito de seu ex sócio, uma pessoa tão avarenta quanto ele e que, agora, depois de morto, decide ajudar Scrooge a ser uma pessoa melhor.





Um Conto de Natal apesar da temática natalina, não é uma história exclusiva para essa época do ano, pois se trata da redenção humana, onde o autor mostra que, por pior que sejam as mazelas humanas, ainda há chance de se mudar e fazer diferente.


"... eu teria gostado muito de ter a espontaneidade de uma criança e ao mesmo tempo ser adulto para saber o valor daquilo tudo."

Eu particularmente aprecio muito a obra de Charles Dickens e esta é uma que recomendo muito. Curtinha e com uma história linda e muito rica.



A obra teve diversas adaptações para o cinema, teatro e musicais. Como também para os quadrinhos, como citei acima, a inspiração para o Tio Patinhas.

Uma das adaptações mais conhecida é Os Fantasmas de Scrooge, lançado em 2009 pela Disney com Jim Carrey.




Recomendo muito a leitura do livro. Dickens é esplêndido e vale a reflexão.

Desejo a todos um Feliz Natal, cheio de paz, saúde e amor.




Clique aqui e adicione Um Cântico de Natal no Skoob




20 de dezembro de 2016

Livros & Esmaltes #16



Oiee, amados!!

Hoje é dia da nossa coluna quinzenal "Livros & Esmaltes", em parceria com o blog MãeLiteratura.

Por que não colocar duas paixões em um post?

O tema da semana é a Francesinha.

Vamos as escolhas?



Minhas Escolhas:


“Os esmaltes que escolhi foram: Agrada a Gregos e Troianos e Gato Mia, Miau, ambos da Risqué. Adorei os tons, mas confesso que dessa vez encontrei dificuldades na esmaltação, devido a falta de habilidade, por isso achei que não ficou muito legal. E o livro do momento é “Entre Loucos e Condenados”, do autor Flavio Oliveira, uma obra apaixonante e intrigante, bem ao estilo do autor.”


Escolhas da Karla:


"Os esmaltes são o Amor Secreto, da Vult e o Fantasy, da coleção Matte.n.a. da marca Cherimoya. Fáceis de aplicar e cores lindas de ambas as marcas. Este livro sensacional é o "Simplesmente Irresistível", da autora Rachel Gibson. Eu adoro a escrita dela e esse foi mais um livro que adorei ter lido."


Escolhas da Claudia:


"Passei uma camada de Melissa e uma de Joga Sal Grosso e fiz as francesinhas com Branco Puríssimo, todos da Risqué. 
Estou lendo "A Lição Final", do Randy Pausch. Um livro muito bonito e emocionante."


Gostaram das nossas escolhas?

E para quem quiser participar, bastar enviar um e-mail com fotinho pra gente para pacoteliterario@gmail.com.

Pode ficar à vontade para seguir as cores propostas ou apenas do seu livro com as unhas da semana!

Ficaremos felizes com a sua participação!!

Beijos e até a próxima!


16 de dezembro de 2016

[Resenha] A verdadeira morte


A VERDADEIRA MORTE
Autor: Rennan Andrade
Editora: Amazon
Páginas: 123
Ano: 2016

Sinopse: A força, a coragem, a indiferença, o sangue frio, o amor...Nada disso pode enfrentar o poder da morte. Ela chega quando quer, quase sempre sem ser convidada, e a cicatriz que ela deixa desde de a primeira vez em que perdemos alguém é justamente para nos lembrarmos o quanto dói passar por algo assim, e também para nos fazer lembrar que nada dura para sempre, e que sempre chegará o momento em que alguém estará velho ou cansado demais para pisar seus pés na terra. Esse momento, porém, sempre pode ser adiantado por qualquer uma das pessoas ao seu redor, comprometendo a sua vida e de todos que te amam.Só que o que acontece quando a morte começa a ser um estado além do oposto da vida?Quando você começa a andar por aí, ainda respirando, mas tão perto da morte que você é capaz de senti-la? Será que ela é apenas aquilo que estamos acostumados a saber dela? Eis a dica.




Com grande habilidade para lidar de forma simples com assuntos fortes, complexos e polêmicos, nesta obra Rennan nos traz contos que relatam o dia-a-dia das pessoas, dúvidas e problemas corriqueiros que costumam afligir a todos.

Suicídio, depressão, bullying, alcoolismo, a morte que chega sem pedir licença... E, como não poderia deixar de ser, a forma com que cada um enfrenta tudo isso, a relação interrompida repentina e definitivamente que, às vezes era de amizade, outras de carinho, amor... Em qualquer que seja o contexto, lidar com a morte é sempre muito difícil!


"Beijar aqueles que sempre quisemos beijar, e ser aquele que nunca conseguimos ser. Seja por medo de nos perdemos ou por vergonha de que nos achem de verdade, no fim seria importante ter falado o que nunca falamos, já que nunca poderemos falar mais nada."


Com narração em primeira pessoa em todos os contos, o autor nos faz compreender os detalhes da vida e da personalidade de cada um dos personagens, bem como a reação de cada um deles ao saber/ver/sentir a morte de perto.


"Contanto que estejamos no controle, nada pode nos impedir de sermos felizes. Nada. Sempre podemos tomar uma nova atitude com relação a si mesmo, e é preciso lutar hoje para não ter que sangrar amanhã."


Li o e-book e, por isso, não posso opinar sobre detalhes físicos. Encontrei alguns poucos erros de escrita/edição que não interferiram no entendimento geral e imagino que tenham sido corrigidos para o lançamento do livro.

E quando a morte parece estar chegando para você? O que fazer quando você sente se esvaírem todas as suas forças? Quando, mesmo vivo, não passa de um "morto" atropelando cada um de seus minutos diários, pois não consegue atravessar o tempo com plenitude e felicidade?

Apesar de tratar diretamente sobre o assunto "morte", não é um livro de terror, nem sombrio, macabro, etc... Rennan conseguiu uma abordagem bastante cotidiana, de maneira que o leitor consegue entender com bastante naturalidade.

São várias as lições que aprendi nesse livro e o que pude sentir que o autor quis nos passar foi que a verdadeira morte, muitas vezes, é a de quem fica e não a de quem morre!


"Sabia que estava sendo dramática, mas amar é pedir para fazer drama. Pode ser um amor platônico, um amor passageiro, um amor que não levará a nada, mas sentir aquilo não era normal."


Indico o livro a quem gosta de um bom drama, de histórias do dia-a-dia e que trazem grandes lições.


Para adquirir:


13 de dezembro de 2016

[Entrevista] L.L.Alves

Olá, leitores!

Hoje é dia de mais uma entrevista no nosso Pacote Literário com autores parceiros e a entrevistada do mês é a querida L. L. Alves.

Vamos conhecer um pouco mais sobre ela?!




1. Quem é L. L. Alves?
R: L. L. Alves gosta de ser chamada de Lu, tem 25 anos, além de escritora é tradutora e possui dois gatos pretos levados. Curte o silêncio, uma boa xícara de café e personagens que não calam a boca.


2. Quando e como começou a escrever?
R: Comecei a escrever aos 13 anos, após ler o segundo volume da série Harry Potter. Depois de muitos rascunhos jogados fora, decidi que terminaria um livro a qualquer custo. A partir daí, nunca mais parei de escrever e de aprimorar a escrita.


3. Tem algum autor que considere uma referência para o seu trabalho como escritora?
R: Acredito que a J. K. Rowling seja uma grande inspiração. Foi com ela que aprendi a gostar de ler e que tomei a decisão de ser escritora. Além dela, tem outros autores que levo como referência para vida, como Machado de Assis, Cassandra Clare e Neil Gaiman.


4. Fale um pouco sobre "As grandes aventuras de Daniella. Como foi a inspiração para uma personagem tão cativante ao público?

R: Baseei muitas das emoções transcritas neste livro em mim mesma e no fato de que não conseguia me aceitar. A Daniella é uma personagem tangível já que foi inspirada em pessoas reais, por isso o público se identifica tanto. Ela tem um pouco de mim, de minhas amigas, de conhecidas e até arrisco a dizer que todas as mulheres que sofrem com os padrões que são impostos pela mídia e pela sociedade. Busquei criá-la da forma mais autêntica possível porque sinto falta desse tipo de identificação e representação nos livros que leio.


Resenha aqui

5. Existe a possibilidade de mais aventuras com a Daniella?

R: Opa, existe sim! Haha! Porém, são somente ideias. Ainda não surgiu a necessidade de colocar no papel outras aventuras loucas da Dani.


6. Fale um pouco sobre "Mudanças". De onde surgiu a ideia para o livro e os personagens?

R: Mudanças foi o primeiro livros que escrevi na vida, exatamente no auge da minha adolescência. É claro que, com o passar dos anos, aprimorei o texto e fiz as alterações necessárias, contudo, os personagens são baseados na antiga Luene e nos seus dilemas juvenis. É um romance leve que ajuda os adolescentes a não se sentirem tão sozinhos e faz os adultos reconhecerem aspectos de si mesmos no passado.


Resenha aqui


7. E sobre a "Instituição para jovens prodígios? Como fez a escolha dos nomes e características dos personagens?

R: A série "Instituição para Jovens Prodígios foi desenvolvida por um ano antes de eu começar a escrevê-la. A princípio seria uma trilogia, mas percebi que não daria para explicar tudo em somente três livros. Depois de decididos todos os pontos chaves da história, as características e personalidade dos personagens principais e suas funções na trama foram delineadas. Foi um trabalho bem exaustivo, pois não podia deixar nenhuma ponta solta, mas foi completamente maravilhoso. Usei pessoas reais como inspiração e também criei personagens novos, sempre focando em seus objetivos.




8. Tem algum personagem favorito em algum de seus livros ou um com quem mais se identifique?

R: Pergunta difícil! Acabo me apegando a todos os personagens das minhas histórias, especialmente as protagonistas. Seria injusto escolher um só. Prefiro não opinar! Hahaha!


9. Qual o seu próximo projeto?

R: Tenho alguns projetos em andamento, especialmente obras finalizadas que necessitam de lapidação. Ainda não sei qual obra irei escrever (ou quando terei tempo para tal, rs), mas tenho uma trilogia de fantasia que se passa em outro universo que precisará em breve da minha atenção.


10. Deixe um recadinho aos nossos leitores.

R: Muito obrigada por serem tão queridos! Sem vocês, nós não somos nada. Espero que minhas histórias sempre os surpreendam!


Luene, só temos a lhe agradecer por sua entrevista!! O Blog Pacote Literário deseja que você continue tendo muito sucesso e, claro, que conquista cada vez mais leitores!



© Pacote Literário ♥ 2016 - Todos os direitos reservados. Personalizado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo